Frase da Semana:

Seu Portal de Informação Sobre Educação!

“Não basta ser apenas professor, é preciso ser mestre na arte de ensinar". (Autor Desconhecido)

terça-feira, 14 de março de 2017

Em audiência com governador, Fórum Estadual apresenta pauta de reivindicações


O Fórum Estadual dos Servidores se reuniu com o governador Robinson Faria nessa segunda-feira (13/03) . Em pauta os recorrentes atrasos de salários, a apresentação de um calendário de pagamento, bem como a Reforma da Previdência do RN.
O governador ouviu os pleitos dos trabalhadores, contudo, não deu respostas. Prometeu fazer uma análise e em seguida convocar nova audiência com o Fórum. Veja AQUI  o depoimento da coordenadora geral Fátima Cardoso.

Educadores de todo o país entram em greve geral a partir do dia 15 de março

A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) convoca os educadores a paralisar suas atividades a partir do dia 15 de março. A adesão é confirmada nos estados e municípios de todo o país. A mobilização da Confederação e das entidades filiadas conta como principais reivindicações a não aprovação da reforma previdenciária e o cumprimento do piso salarial dos professores.
“Convidamos não só os educadores, mas todos os trabalhadores a se juntarem a nossa causa. Todos sairemos perdendo com a aprovação da Reforma da Previdência proposta por esse governo. Vamos parar o país para conseguirmos a manutenção dos nossos direitos”, afirma o presidente da CNTE, Heleno Araújo Filho.
A CNTE é contra a reforma da previdência, proposta pelo governo, pois ela castigará a classe trabalhadora e os mais pobres do país, especificamente as mulheres educadoras, patrocinando o desmonte da previdência pública e promovendo os fundos privados.
A medida pretende acabar com a aposentadoria especial do magistério tanto para os novos concursados como para quem tem menos de 45 anos, no caso de professoras, e menos de 50 anos, no caso de professores. Isso significa que quase 70% da categoria dos profissionais do magistério, em efetivo trabalho na docência, deixará de ter direito à aposentadoria especial, sendo 66,48% de professoras (1.164.254) e 82,09% de professores (357.871) que se encontram abaixo da linha de corte.
A reforma traz outros prejuízos como o aumento da idade mínima para aposentadoria, que será de 65 anos para homens e mulheres, além da exigência de 49 anos de contribuição para ambos os sexos a fim de alcançar o teto remuneratório máximo no serviço público e na iniciativa privada, que será de R$ 5.531,31 neste ano.
Piso salarial
Já o novo valor do piso salarial foi anunciado pelo governo no dia 12 de janeiro e passou de R$ 2.135,64 para R$ 2.298,80. Para a CNTE, o valor do piso é insatisfatório, mas ainda é necessário lutar pela implementação desse pagamento aos profissionais em todos os estados e municípios do Brasil.
De acordo com dados do Ministério da Educação, apenas 44,9% dos municípios brasileiros pagaram o piso em 2016 e 38,4% cumpriram a jornada extraclasse. Levantamento da CNTE nas redes estaduais indicou que o piso foi aplicado integralmente em 14 estados, proporcionalmente em cinco e desrespeitado em oito. Com relação à hora-atividade, oito estados ainda não a cumprem.
Estudos da assessoria do Ministério da Educação, com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) -2012, revelam que os profissionais do magistério com formação de nível superior possuem renda média 35% inferior à dos demais profissionais não professores.
A Confederação conta com o apoio da Central Única dos Trabalhadores (CUT), da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), doMovimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), da Frente Brasil Popular, da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino (Contee), da Federação de Sindicatos de Trabalhadores Técnico-Administrativos em Instituições de Ensino Superior Públicas do Brasil (Fasubra), da Federação de Sindicatos de Professores e Professoras de Instituições Federais de Ensino Superior e de Ensino Básico Técnico e Tecnológico (Proifes), entre outras entidades.
CNTE
A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) é uma entidade que congrega 50 sindicatos filiados no país, em uma base de mais de 4 milhões de trabalhadores das escolas públicas, entre ativos e aposentados, efetivos e contratados a qualquer título. 
Atividades dos sindicatos filiados:
SISMMAC/PR: Em uma assembleia lotada no Paraná Clube, o magistério de Curitiba reafirmou sua disposição de luta e aprovou o início da greve por tempo indeterminado a partir do dia 15 de março. Professores da rede vão suspender as aulas e se somar à luta nacional contra o desmonte da Previdência, com manifestação a partir das 9h, na Praça Santos Andrade.
ASPROLF: A greve, que tem o objetivo de fazer frente contra a Reforma da Previdência (a PEC 287), a priori, terá uma duração de dez dias, iniciando no dia 15 de março até o dia 24 de março, com uma agenda de lutas durante o período do movimento paredista. No dia 24, a categoria fará assembleia para avaliar o movimento; e, no dia 25, em Brasília, a Asprolf estará presente na reunião do Conselho Nacional de Entidades (CNE) da CNTE para, em nível nacional, avaliar a greve.
Sintep/MT: Para manifestar a indignação, a sociedade, puxada pelo movimento nacional da educação pública, estará nas ruas em todos os municípios do estado, no próximo dia 15 de março, na Greve Geral. A articulação da sociedade será contra a reforma ou a PEC da maldade, “uma reforma indecente que retira direitos dos trabalhadores, praticamente extingue a assistência social e penaliza os trabalhadores da educação duas vezes, quando prejudica em especial as mulheres, as quais são 80% da nossa categoria”, destacou o presidente do Sintep/MT, Henrique Lopes do Nascimento.
SINTEAM/AM: Por unanimidade, trabalhadores em educação do Amazonas decidiram paralisar as atividades no próximo dia 15 contra a reforma da previdência, a reforma do ensino médio, contra o racismo, pelo piso salarial nacional e por reajuste salarial.
SIMMP/VC - BA: Escolas e creches da rede municipal de ensino de Vitória da Conquista estarão com as atividades suspensas no dia 15 de março, nos três turnos, em virtude da Greve Nacional da Educação – movimento organizado pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), entidade a qual o SIMMP é filiado. Na data, todos os Trabalhadores da Educação municipal deverão se concentrar na praça Nove de Novembro, a partir das 9h, onde acontecerá uma manifestação com panfletagem. À tarde, a partir das 14h, a categoria participará de uma assembleia ordinária, na Câmara Municipal de Vereadores, onde será discutida a Campanha Salarial 2017, bem como os rumos da Greve Geral da Educação.
SINTEP/PB: Em Assembleia Geral realizada em 8 de Março, professores e funcionários de escola do Estado da Paraíba deflagraram Greve Nacional Unificada a partir do dia 15 de março, por tempo indeterminado. Entre os principais pontos de luta estão a Reforma Previdenciária, também conhecida como Reforma da Morte, as perdas de direitos trabalhistas, assim como o reajuste salarial do ano corrente.
Sind-UTE/MG: Em assembleia, milhares de trabalhadores/as de todas as regiões do estado votaram e aprovam o calendário de atividades, que define, entre outras ações, a deflagração da greve a partir de 15 de março tendo dias pautas: a luta contra a reforma da previdência (PEC 287) e pelo cumprimento dos acordos assinados pelo Governo do Estado.
SinteRN: A assembleia unificada do Estado e municípios aprovou o indicativo de greve geral da educação do Rio Grande do Norte. Nesta quarta-feira (15), será realizada outra assembleia unificada para deflagrar o movimento grevista convocado pela CNTE (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação).A greve objetiva barrar a Reforma da Previdência proposta pelo governo Michel Temer, bem como garantir a implementação do Piso Salarial em todos os municípios.

Créditos: http://www.cnte.org.br

quarta-feira, 8 de março de 2017

Professora será homenageada com Tributo Ana Floriano


A professora Dra. Ana Lúcia Oliveira Aguiar será a homenageada deste ano com o Tributo Ana Floriano. A homenagem é prestada em forma de comenda, que será entregue hoje, Dia Internacional da Mulher, pela prefeita Rosalba Ciarlini, no Salão dos Grandes Atos, do Palácio da Resistência. A solenidade de entrega será às 15h.
A homenagem tem intuito de agraciar uma mulher de destaque, que contribuiu para o desenvolvimento político, social, cultural ou econômico da cidade. A professora Dra. Ana Lúcia é reconhecida por sua luta em favor da inclusão, com trabalhos prestados na Diretoria de Políticas Públicas e Ações Inclusivas (DAIN), da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), se estendendo para a comunidade em geral.
O Tributo foi instituído através da lei nº 1.010, de 8 de março de 2006 e já foram agraciadas a professora América Rosado (2006), a contabilista Edy Moura (2007), as professoras Zuleide Vieira de Sá e Zilma Vieira de Sá (2008), professora Dagmar Filgueira (2009), artista plástica Marieta Lima (2010), professora Raimunda Almeida (2011), Irmã Ellen (2012), Irmã Zelândia (2013), a professora Inalda Cabral Rocha (2014), a professora Francisca Fernandes Barreto – Chica Boa (2015) e a professora Maria das Neves Gurgel de Oliveira (2016).
Sobre a homenageada
A professora Ana Lúcia tem graduação e Licenciatura em História pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), mestrado em Sociologia pela Universidade Federal de Pernambuco e doutorado em Sociologia pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Tem Especialização em Inclusão pela Rede Municipal de Educação de Mossoró/RN, Curso da Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS), de Intérprete de LIBRAS, pela UERN e Curso de LEDOR, este pela CESGRANRIO. Curso de Legendagem para Surdos e Ensurdecidos e Curso de Audiodescrição pela UFRN. Membro dos Grupos de Pesquisa em Psicologia e Educação Inclusiva (GEPPEI) da UERN. É professora do Programa de Pós-Graduação, Mestrado em Educação, da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, e representante da Linha de Pesquisa Formação Humana e Desenvolvimento Profissional Docente, no Programa de Pós Graduação em Educação/POSEDUC. É diretora da Diretoria de Políticas e Ações Inclusivas (DAIN/UERN).

Potiguar passa a integrar Livro dos Heróis e Heroínas da Pátria


O Plenário do Senado aprovou nesta terça-feira (7) dois projetos que incluem nomes de mulheres notáveis da história brasileira no Livro dos Heróis e Heroínas da Pátria.
Jovita Feitosa, voluntária do Exército na Guerra do Paraguai, e a potiguar Clara Camarão, que combateu os holandeses na Batalha dos Guararapes, serão imortalizadas no rol de nomes históricos. Os projetos seguem para sanção presidencial.
Com essas inclusões, passarão a ser cinco as mulheres brasileiras representadas no chamado “Livro de Aço”. As duas se juntarão à enfermeira Ana Néri e às revolucionárias Anita Garibaldi e Bárbara de Alencar.
O projeto pela inclusão de Jovita Feitosa é o PLC 122/2013, que teve relatoria do ex-senador Wellington Dias (PT-PI). Já o projeto que homenageia Clara Camarão é o PLC 69/2013, que teve como relator o senador José Agripino (DEM-RN). Ambos são de autoria da ex-deputada federal Sandra Rosado (PSB-RN)
Biografias
Antônia Alves Feitosa, mais conhecida como Jovita, viveu durante a Guerra do Paraguai (1864-1870) e, com 17 anos de idade, deixou sua vida no Nordeste para se juntar às tropas de Voluntários da Pátria que lutavam no conflito. Para integrar o Exército, cortou os cabelos e se disfarçou. Apesar disso, foi descoberta em Teresina (PI), onde se realizava o alistamento. Lá onde foi interrogada e rejeitou ir para um destacamento de enfermeiras, protestando para ser soldada. Obteve permissão especial do então presidente da Província do Piauí, o Barão de Loreto.
Ao chegar ao Rio de Janeiro, Jovita foi aclamada pela população local, que havia ouvido sua história. No entanto, ela foi impedida de prosseguir para o campo de batalha por uma ordem do Ministério da Guerra. Obrigada a permanecer na capital, ela morreu em depressão dois anos depois.
Clara Felipa Camarão foi uma índia potiguar que nasceu nas terras onde hoje é a cidade de Natal (RN). Não há registros de seu nome original indígena, mas ela recebeu seu nome histórico ao ser catequizada por jesuítas locais. Era esposa de Filipe Camarão, que se notabilizou por liderar tropas de índios durante a Insurreição Pernambucana, sequência de combates que expulsou os holandeses do Nordeste brasileiro no século XVII. Filipe integra o Livro dos Heróis desde 2012.
Rompendo com os papeis tradicionais impostos às mulheres na época, Clara era treinada no uso de armas e também participava das batalhas, no comando de seu próprio pelotão de índias potiguares. Ela lutou na Batalha dos Guararapes, evento considerado como a raiz histórica do Exército brasileiro. Após a morte de Filipe, decorrente de ferimentos recebidos naquela ocasião, ela se recolheu à vida privada e faleceu em data e local desconhecidos.
Panteão
O Livro dos Heróis e Heroínas da Pátria é um registro de personagens que protagonizaram momentos marcantes da história do Brasil e ajudaram a construir a identidade nacional. Com páginas de aço, ele fica exposto no terceiro pavimento do Panteão da Pátria e da Liberdade Tancredo Neves, localizado na Praça dos Três Poderes, em Brasília (DF).
Entre os homenageados no livro estão Tiradentes, Zumbi dos Palmares, Dom Pedro I, Santos Dumont, José Bonifácio, Chico Mendes, Getúlio Vargas e Heitor Villa-Lobos. São 41 nomes no total, atualmente. Os nomes são incluídos através de projetos de lei votados pela Câmara d

Dia Internacional da Mulher teve greve feminina em diversos países


O Dia Internacional da Mulher, lembrado hoje (8), deverá ser marcado por paralisações de mulheres em pelo menos 30 países. A ideia é fazer uma greve geral, para reforçar a importância do papel das mulheres no mercado de trabalho e na sociedade.
A ideia do protesto veio do movimento de mulheres argentinas Ni Una Menos. Em 19 de outubro do ano passado, elas foram às ruas e paralisaram as atividades para protestar contra os 200 assassinatos anuais no país em decorrência de violência de gênero.
No Brasil, movimentos feministas programaram protestos para hoje em todos os estados, mas a greve prevista para outros países deve ser mais difícil de se concretizar por aqui, por causa das difíceis condições de trabalho enfrentadas pelas brasileiras.
“Uma coisa é organizar uma greve em um país que tem quase pleno emprego, outra coisa são as mulheres aqui no Brasil, completamente precarizadas – a maior parte empregada no serviço doméstico, autônomas, completamente sem proteção – dizerem que vão parar”, admite Maria Fernanda Marcelino, integrante da Sempreviva Organização Feminista e militante da Marcha Mundial das Mulheres.
Para as que não puderem parar suas atividades, as organizações feministas incentivam o protesto de outras maneiras – usando uma roupa roxa ou fazendo manifestações no próprio local de trabalho. “O importante é identificar que estamos em luta, independentemente de podermos parar ou fazer greve. Sabemos que nem todo mundo pode parar, ainda mais diante de um cenário de desemprego no Brasil”, diz Fernanda Sabóia, da Articulação de Mulheres Brasileiras.
A ideia é que as intervenções sejam postadas em redes sociais, com as hashtags #8MBR, #EuParo e #ParadaBrasileiraDeMulheres.
Para a assessora técnica do Centro Feminista de Estudos e Assessoria (Cfemea), Joluzia Batista, as manifestações mais simbólicas também devem ser valorizadas. “É uma forma de as mulheres que estão mais impossibilitadas, com horários mais rígidos, poderem se manifestar também”.
Reforma da Previdência
No Brasil, a principal pauta das manifestações é a proposta de reforma da Previdência apresentada pelo governo federal. A avaliação é de que as mulheres serão as mais prejudicadas com a mudança.
“Se essa reforma da Previdência passar, as mais atingidas, que padecerão com o empobrecimento rapidamente serão as mulheres, pela equiparação do tempo de aposentadoria com os homens, desconsiderando a dupla jornada de trabalho, toda a precariedade que as mulheres enfrentam no mercado de trabalho formal”, diz Maria Fernanda.
As mulheres também querem chamar a atenção para temas como racismo, aborto e violência contra as mulheres. Apesar dos temas em comum que serão abordados em todo o país, cada estado se organizou de acordo com as suas prioridades. “Acreditamos na força do movimento feminista de construir as pautas em cada estado, em cada cidade, as mulheres tem organização própria e sabem muito bem o que está afetando as suas vidas”, explica Fernanda Sabóia.
“O 8 de março não é dia de flor, é um dia de luta”, ressalta Maria Fernanda. “Ainda continuamos trabalhando muito mais que os homens e sendo completamente desvalorizadas, sofrendo violência, e tantas questões que precisamos inverter.”
Além de chamar a atenção para a importância da mulher no mercado de trabalho, o movimento quer conscientizar a sociedade para todos os problemas enfrentados pelas mulheres.
“As mulheres estão sobrecarregadas, seja do trabalho remunerado, como o não remunerado, porque nós somos donas de casa, mães, trabalhamos fora. Somos 52% da população brasileira, então a nossa situação ainda é à margem da sociedade, vítimas de tanta violência”, diz Fernanda Sabóia.

quarta-feira, 1 de março de 2017

Começa nesta quinta-feira, 2, prazo para entrega do Imposto de Renda

Chegou a hora de acertar as contas com o Leão. Começa amanhã, dia 2 de março, o prazo de entrega da declaração do Imposto de Renda 2017 (ano-base 2016). O documento precisa ser enviado à Receita Federal por pessoas físicas que obtiveram rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70 no ano passado. O Fisco espera receber 28,3 milhões de declarações até o dia 28 de abril.

Este ano, a Receita fez algumas alterações no programa do IR, que pode ser obtido pela internet no endereço http://rfb.gov.br. Uma das mudanças é a atualização automática do programa. Isso significa que, depois de baixado, se a Receita fizer algum ajuste no serviço, o programa vai perguntar ao contribuinte se ele quer fazer a atualização. Antes, isso não era avisado. Além disso, não será mais preciso baixar o programa de transmissão da declaração, conhecido como Receitanet. O contribuinte só precisará fazer um download.
Outra novidade é a recuperação de nomes. Quando o contribuinte colocar o nome e o CPF na declaração, esse dado ficará armazenado para facilitar o preenchimento de outros campos. Também haverá mudanças na tela de identificação. O programa vai passar a pedir, de forma não obrigatória, um número de celular e um e-mail. Segundo a Receita, isso servirá para ampliação do cadastro. O eventual uso dos dados pelo Fisco só poderá ocorrer se houver autorização das pessoas físicas.

domingo, 26 de fevereiro de 2017

EEPJA realizou Reunião com os Pais e Mestres dia 24


A Escola Estadual Padre José de Anchieta – Serra do Mel/RN, realizou na última sexta-feira, 24, a primeira reunião com os pais dos estudantes e corpo docente e demais profissionais da educação.
A reunião contou com a presença de mais de 120 e pais/mães que foram bastante participativos. A conversação foi aberta pelo professor Roberto de Araujo, atual gestor da instituição que compartilhou a mesa com os demais professores, o comandante da policia militar, Alci e os conselheiros tutelares – Francisco de Assis (presidente), Eliete Pereira, Amós César e Carlos Lemos.
A pauta do diálogo entre pais e mestres foi bastante extensa, onde discutiram sobre a organização do dia a dia para o melhor funcionamento da instituição educacional como: horários, fechamento dos portões, fardamento, merenda escolar, transporte, estudantes que gaseiam aula, aulas vagas, documentação escolar e a indisciplina de alguns estudantes com o reparo para quaisquer danos ao patrimônio.
Outro ponto bastante discutido foi a segurança na escola e ao seu redor. Diante desta preocupação a equipe gestora da Escola, se reuniu na última terça-feira, 21 com o comandante Alci e firmaram uma parceria para que os policiais realizassem uma ronda ao redor e dentro da escola nos turnos vespertino e noturno com o objetivo de garantir a segurança aos estudantes e funcionários da Escola, como também evitar que traficantes se aproximem da instituição para aliciar os adolescentes com entorpecentes.
O diretor da Escola enfatizou: “Queremos reorganizar a nossa Escola, colocando professores para todas as disciplinas e vamos colocar todos os alunos na sala de aula. Não vamos permitir o aluno no corredor quando se tem professor na sala de aula. Vamos cobrar uma efetivação maior dos professores para que não faltem, somente em caso de doença. Precisamos da colaboração dos pais em todos os sentidos, fiscalizem a vida dos seus filhos, as atividades do seu caderno, a sua mochilha e com quem ele anda, venham sempre que puderem a Escola, visite –nos e conversem com os professores e vejam se seu filho está frequentando as aulas. Fizemos uma parceria com a policia militar para garantir a segurança dos que estudam e trabalham nesta Escola”.
O Comandante falou sobre a responsabilidade dos pais que devem cuidar dos seus filhos para que não seae necessário a reeducação através da polícia.
Os Conselheiros  Diassis e Eliete falaram da importância de uma educação firme em casa dos filhos, pois, quando esta acontece de forma efetiva, essas crianças e adolescentes não necessitarão da ajuda do Conselho Tutelar e nem da intervenção das polícias quando adultos.
Fizeram uso da palavra a vice-diretora Ana Paula Dantas, a coordenadora pedagógica Elilde Tavares e os professores Eleomar, Edna Moreno, Edson Moreno, Marluce Oliveira e em nome de todos o pais, a mãe Rejane Dantas.
A participação maciça dos pais/mães dos estudantes demonstra um novo ciclo – Que os pais estão verdadeiramente preocupados com a educação e o futuro dos seus filhos. E o que eles mais questionaram foram aulas vagas, ineficiência do transporte escolar e segurança.
Os gestores Roberto de Araujo e Ana Paula agradeceram a presença dos pais e/ou responsáveis, professores, profissionais da educação, equipe da polícia militar e conselho tutelar.

GME dos funcionários será paga na folha de fevereiro, promete SEEC

A GME (Gratificação de Mérito Educacional) dos funcionários da rede estadual será paga na folha de fevereiro. É o que promete a Secretaria Estadual de Educação. O comunicado foi feito por meio de ofício enviado ao SINTE/RN. A secretaria disse que o pagamento já está na folha desse mês.
A coordenadora geral do SINTE/RN, professora Fátima Cardoso, conta que desde o início de fevereiro que o Sindicato tem trabalhado para garantir a implementação da GME: “A nossa luta tem sido constante nessa frente. Nosso esforço cotidiano está rendendo mais este fruto”.

Mulheres de Mossoró farão greve contra a reforma da previdência e violência sexista


O Núcleo de Estudos sobre a Mulher Simone de Beauvoir (NEM), em parceria com a Associação dos Docentes da UERN (ADUERN) e  diversas outras organizações e movimentos sociais,  vai realizar uma ampla mobilização em Mossoró em alusão ao 8 de Março, Dia Internacional da Mulher. Dentre as atividades programadas se destaca o chamado por uma Greve Geral de Mulheres, que terá como principais motes a reforma da previdência e as violências sexistas.
A professora Fernanda Marques Queiroz, que é uma das coordenadoras do NEM, destaca que a parada geral de mulheres é fruto de um movimento mundial, que tem como objetivo  expor como o trabalho das mulheres, seja ele doméstico ou não,  é marcado pela precarização e machismo.
“Vamos parar em torno da bandeira unificada de repúdio à reforma da previdência, que ataca diretamente os direitos de toda a classe trabalhadora, mas que também intensifica o ataque aos direitos das mulheres, que já convivem hoje com baixos salários, péssimas condições de trabalho e, em sua maioria, na extrema pobreza. Nossa paralisação se dá pelo enfrentamento ao o machismo, sexismo, patriarcado, racismo e o capitalismo como um todo”, destacou Fernanda.
De acordo com a professora, as atividades terão início no dia 06 com uma mesa redonda no auditório do SECOM. No dia 08, às 7h será realizado um grande arrastão feminista saindo da UERN com destino à Praça do PAX, onde acontece um ato público.
Confira a programação completa:
MULHERES EM MOSSORÓ CONTRA A REFORMA DA PREVIDÊNCIA
☆ Dia 06/03 às 19h- Auditório do SECOM:
Mesa redonda: A contrarreforma da previdência social e os impactos na vida das mulheres.
Palestrante: Prof. Dra. Rivânia Moura da FASSO-UERN. Debatedoras: Representantes do MMC e SINDPREVS
☆ Dia 07/03 às 07h às 11h – PROGRAMAÇÃO UFERSA
7h – Concentração na UFERSA, lado Leste- Panfletagem pelo campus.
09h – Oficina de cartazes no Centro de Convivência
11h- Concentração no RU – Intervenção feminista.
☆ Dia 07/03 às 16h: Oficina de cartazes na sala do NEM-UERN.
☆Dia 08/03 às 07h – Arrastão feminista na UERN rumo ao ato público na Praça do Pax.
☆ Dia 08/03 às 07h – Concentração na Praça dos Hospitais com café da manhã – Atividade conjunta das entidades organizadoras
8h – Marcha das mulheres rumo à Praça do PAX.
8:30h – ato público.

As Escolas da Rede Estadual iniciaram as aulas sem Merenda Escolar


Várias escolas da rede estadual de ensino do RN estão sem merenda. É o que demonstra um levantamento feito pela direção do SINTE/RN. Os dados mostram que ao menos 50 escolas de Natal e de diversos municípios do interior estão sem alimentação para os alunos, professores e funcionários.
E até o momento as unidades de ensino não receberam a primeira parcela dos recursos para garantir a compra da merenda escolar.
A coordenadora geral do SINTE/RN, professora Fátima Cardoso, criticou a postura adotada pela SEEC e o governo: “As escolas estão sem merenda, além de outros graves problemas que vão desde infraestrutura precária e falta de professores, e a SEEC vive a cobrar insistentemente o cumprimento dos dias letivos. Ou seja, o Estado nos cobra e não faz a parte que lhe cabe, que é garantir o bom funcionamento das escolas”.