Frase da Semana:

Seu Portal de Informação Sobre Educação!

“Não basta ser apenas professor, é preciso ser mestre na arte de ensinar". (Autor Desconhecido)

sábado, 18 de fevereiro de 2017

E E Pe José de Anchieta inicia Ano Letivo Dia 20


A E E Pe José de Anchieta, oferta aos adolescentes, jovens e adultos do município de Serra do Mel e municípios vizinhos o Ensino Fundamental II (6º ao 9º ano), Ensino Médio Regular (1º ao 3º ano), Educação de Jovens e Adultos - Fundamental e Médio e Educação Profissional com o Curso Técnico Integrado de Informática.

As aulas do Ano Letivo 2017 iniciará na próxima segunda-feira, dia 20 na E E Pe José de Anchieta. Na  maioria dos municípios do Rio Grande do Norte, as aulas da rede estadual iniciou na última segunda-feira, 13. E em Serra do Mel/RN, existe um convênio entre a Prefeitura Municipal de Serra do Mel e o Governo do Estado do Rio Grande do Norte para transportar os estudantes das vilas rurais até o centro, onde localiza-se as Escolas da rede estadual e municipal. E diante de um planejamento em comum entre a E E Pe José de Anchieta e a Secretaria Municipal de Educação, foi montado o calendário escolar ano letivo 2017, com as mesmas datas para o bom funcionamento do transporte escolar e do desenvolvimento das atividades educacionais e laborais para os estudantes e profissionais da educação.

A EEPJA matriculou neste ano 700 (setecentos) estudantes nos seguimentos educacionais citados acima e funcionará dividos em 05 (cinco) turmas de Ensino Fundamental - 6º Ano, 7º Ano, 8º Ano e 9 9º Ano A e 9º B. E 13 turmas do Ensino Médio - 1º Ano A, 1º Ano B e 1º Ano C (Curso Técnico Integrado de Informática), 2º Ano A, 2º Ano B e 2º Ano C. 3º Ano A e 3º Ano B. Que funcionarão no turno vespertino. A noite funcionará os 4º e 5º período da EJA - Fundamental; 1º, 2º e 3º períodos na EJA - Médio e 1º Ano diferenciado do Ensino Médio.

Apesar das dificuldades e dos poucos investimentos por parte do Governo do Estado e do Governo Federal, as aulas iniciarão com estas turmas e o quadro de professores completos, através das horas suplementares.

Infelizmente, as aulas irão iniciar sem merenda escolar, pois, o Governo não repassou a 1ª parcela do PNAI - Programa Nacional da Alimentação Escolar.

Desde já, a equipe gestora/pedagógica comunica e convida a todos os estudantes para o primeiro dia de aula, que a presença de todos serão de suma importância para o bom andamento das atividades pedagógicas.

SINDMEL e Prefeitura da Serra do Mel fecham acordo salarial


Na última terça-feira, 14, o prefeito Josivam Bibiano de Azevedo se reuniu com a equipe do Sindicado dos Servidores Públicos Municipais, na liderança de Francisco André da Silva (Chico da Alagoas) e fecharam acordo para reajustar os salários dos servidores efetivos do município.

O presidente divulgou na página do SINDMEL  o seguinte: "Informamos aos colegas servidores de Serra do Mel, que o SINDMEL fechou um acordo salarial com prefeito municipal, onde negociamos os reajustes salariais para quase 300 (trezentos) servidores que ganham salários acima do mínimo e chegamos a um acordo da seguinte forma: Os efetivos terão um reajuste de  7.10% (sete ponto dez por cento), neste caso, acima do índice que o governo federal determinou que foi 6.47%. E os profissionais do magistério terá reajuste de  7.64% (sete ponto sessenta e quatro por cento) , índice definido pelo MEC."

Os salários reajustados serão pagos a partir do mês de fevereiro. O projeto do executivo já se encontra na Câmara Municipal que será votado em uma sessão extraordinária pelos vereadores na próxima terça-feira, dia 21. 

Governo federal aumenta repasses do salário-educação em 7%


O Ministério da Educação anunciou hoje o aumento de 7% do repasse dos recursos do salário-educação para municípios, estados e Distrito Federal em relação a 2016. No ano passado, o repasse foi R$ 11,71 bilhões e deve chegar a R$ 12,53 bilhões este ano, segundo informações do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE).
O salário-educação é uma contribuição social recolhida de todas as empresas e entidades vinculadas ao Regime Geral da Previdência Social. Após a arrecadação, feita pela Receita Federal, cabe ao FNDE repartir os recursos. Do valor arrecadado, 90% vai para a cota estadual/municipal (2/3) e para a cota federal (1/3), e 10% devem serem utilizados pela autarquia em programas e ações voltados à educação básica.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Ensino integral perde mais de 2 milhões de alunos do 1º ao 9º ano


O número de matrículas para o período integral no ensino fundamental (do 1.º ao 9.º ano) caiu 46% no ano passado. De acordo com os dados do Censo Escolar, divulgados nesta quinta-feira, 16, em 2015 eram 4,6 milhões de alunos matriculados na modalidade. Em 2016, o número ficou em 2,4 milhões. A queda é puxada, principalmente, pela rede pública de ensino, mas também houve recuo de 18,9% na particular.
O aumento da s vagas em tempo integral é uma das apostas do governo federal para melhorar a educação no País. O Plano Nacional da Educação (PNE) prevê que, até 2024, 25% das matrículas e 50% das escolas da rede pública ofertem essa modalidade. Em 2015, 19,4% das matrículas das escolas públicas no fundamental eram no período integral – o porcentual caiu para 10,5% no ano passado. E foi ainda menor nos anos finais (do 6.º ao 9.º ano), com 7,7%.
Para especialistas, a queda registrada é consequência da descontinuidade de programas que impulsionavam essa oferta e da crise financeira. O Mais Educação, principal programa do Ministério da Educação (MEC) para fomentar o tempo integral com prioridade para o ensino fundamental, acabou paralisado em 2015. Ele foi criado em 2007 para distribuir dinheiro para que Estados e municípios pudessem ampliar a jornada escolar para pelo menos 7 horas. Desde 2014, sofria com atrasos nos repasses e foi alvo de críticas por não promover melhoria no desempenho em Matemática e Língua Portuguesa nem fazer cair a evasão.
“A crise econômica afetou, mas mais determinante foi a crise política que culminou no abandono de programas. É uma tradição brasileira: acabar com projetos de outros governos”, disse Ângela Maria Martins, pesquisadora da Fundação Carlos Chagas.
Médio. Na contramão do ensino fundamental, houve expansão de 8,8% nas matrículas em tempo integral no ensino médio na rede pública e de 5,6%, na particular. Para Carlos Eduardo Chagas, consultor da União dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), os Estados conseguiram dar prioridade aos investimentos no ensino médio, com aumento de vagas no período integral, por ofertarem menos lugares nos anos finais do fundamental.
“Está ocorrendo com maior intensidade uma municipalização dessa etapa do fundamental, o que provoca um desequilíbrio financeiro nas prefeituras, que consequentemente não conseguem mais garantir a oferta de tempo integral. Por outro lado, os Estados têm mais capacidade para investir no ensino médio. O efeito é ruim, porque não adianta só pensar na etapa final”, afirmou.
Em nota, o MEC informou que o Mais Educação foi paralisado nos anos de 2015 e 2016, na gestão Dilma Rousseff, quando não foram previstos recursos no orçamento. O ministério disse que o programa vai retornar, sem informar o valor previsto de investimento e o número de escolas atendidas.
Procurado, o ex-ministro da Educação Aloizio Mercadante (PT) falou em “desmontes e retrocessos” da gestão atual. E destacou “a evolução contínua do número de estudantes em tempo integral” durante a administração petista.

DUAS PERGUNTAS PARA
Priscila Cruz, presidente do Todos Pela Educação
1. A que podemos atribuir a queda de matrículas em tempo integral no ensino fundamental?
São três pontos que atuam em conjunto. O primeiro foi a descontinuidade do programa Mais Educação, que dava apoio para Estados e municípios. O segundo é a própria crise, porque os gestores cortam o que acham ser excedente – e a educação integral ainda, infelizmente, é vista dessa forma. E a terceira é que o orçamento da educação não cresceu em termos reais e houve prioridade de investimentos para o ensino médio, que está em ênfase.
2. Qual a importância do tempo integral?
É superimportante, porque hoje o aluno fica pouquíssimo na escola e menos ainda em sala de aula. Mas eu acredito mais em um modelo que amplie a carga horária para todos os alunos, não apenas para alguns. Ou, se for para crescer cirurgicamente, que sejam priorizadas as escolas em locais de alta vulnerabilidade, com alto índice de violência ou de pobreza. 19

Qualquer pessoa interessada em opinar sobre mudanças no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) tem até hoje (17) para participar da consulta pública sobre a prova, realizada pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). A consulta foi aberta no dia 18 de janeiro, pela internet, e o Inep enviou e-mail convidando os 6,1 milhões de participantes do Enem 2016 para se manifestar sobre aspectos que podem ser mudados no exame.
Com base nas respostas, o Ministério da Educação poderá modificar o exame ainda este ano. Uma das principais mudanças poderá ser a aplicação das provas em apenas um dia, com 5 horas e 30 minutos de duração. Atualmente, o Enem é aplicado em dois dias – um sábado e um domingo. A prova também poderia ser menor e ter, no máximo, 100 questões – hoje são 180. Em todos os casos a redação será mantida.
Na consulta pública, há quatro questões sobre o Enem. Na primeira, a pessoa define o formato, de um ou dois dias. Sendo dois dias, ainda é possível sugerir se as provas devem ser aplicadas em dois domingos ou mesmo em um domingo e uma segunda-feira, que seria feriado escolar, ou a manutenção do formato atual.
A terceira pergunta é sobre a realização do Enem por computador. A ideia não é nova e vem sendo discutida desde 2012. No entanto, o ministro da Educação, Mendonça Filho, já disse que é inviável executar uma mudança como essa neste ano e que pode haver, no máximo, testes de aplicação. A última questão é livre para que a pessoa dê as próprias sugestões em um texto de, no máximo, 300 caracteres.

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Temer sanciona lei que estabelece a reforma do ensino médio

O presidente Michel Temer disse que as discussões em torno da reforma do Ensino Médio acabaram por aperfeiçoá-la.
O presidente Michel Temer sancionou hoje (16), em cerimônia no Palácio do Planalto, a reforma do ensino médio. Durante o evento, o presidente disse que, a exemplo das outras reformas que estão sendo tocadas pelo governo, a reformulação do ensino médio só foi possível graças à ousadia do governo, no sentido de encarar a polêmica que cerca os temas relevantes para o país.

Segundo ele, a sanção da MP representa um “momento revelador de nosso governo com ousadias responsáveis e necessárias para que o país possa crescer e prosperar”. Temer acrescentou que as discussões em torno da matéria acabaram por aperfeiçoá-la. “Temos enviado propostas que geram saudável polêmica. A polêmica, crítica portanto, gera aperfeiçoamento. Certa e seguramente, algumas modificações feitas pelo Congresso Nacional foram feitas pela sociedade. Acabou então saindo uma coisa consensual”, disse o presidente .

“Estamos ousando. Quem ousaria fazer um teto para os gastos públicos? Seria muito fácil o presidente chegar e gastar à vontade sem se preocupar com as reformas fundamentais, ou seja com o país no futuro. Não estamos fazendo isso. Propor o teto foi uma ousadia muito bem sucedida. Agora a do ensino médio”, acrescentou.

ReformadoEnsinoMedio

Em seu discurso, o ministro da Educação, Mendonça Filho, disse que a MP representa “a mais estrutural mudança na educação pública do Brasil”, que demorou mais de 20 anos para ser implementada. “Debate houve [ao longo desse período]. O que não existia na prática era vontade e decisão política de fazer avançar”, disse ele ao lembrar que há no país 2 milhões de jovens excluídos da educação, em um total de 8 milhões. "É consensual, no meio, a necessidade de mudanças”, acrescentou.

“A escola do ensino médio era estática, com 13 disciplinas obrigatórias. [O aluno] tem de assimilar aquele conteúdo de forma similar e igual para todos, como que cada um tivesse um perfil igual ao outro”, acrescentou o ministro.

Mudanças

Aprovada na última semana pelo Senado, a nova legislação prevê, entre os principais pontos, que o currículo deve ser 60% preenchido pela Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Os 40% restantes serão destinados aos chamados itinerários formativos, em que o estudante poderá escolher entre cinco áreas de estudo: linguagens, matemática, ciências da natureza, ciências humanas e formação técnica e profissional. O projeto prevê que os alunos poderão escolher a área na qual vão se aprofundar já no início do ensino médio.

As escolas não são obrigadas a oferecer aos alunos todas as cinco áreas, mas deverão oferecer ao menos um dos itinerários formativos. Durante a tramitação na Câmara, o projeto retomou a obrigatoriedade das disciplinas de educação física, arte, sociologia e filosofia na Base Nacional Comum Curricular, até então fora do texto original.

A proposta apresenta também uma meta de ampliação da carga horária para pelo menos mil horas anuais e, posteriormente, chegar a 1.400 horas para as escolas do ensino médio. Elas devem ampliar a carga horária para 5 horas diárias - atualmente a obrigação é 4 horas diárias. A intenção é que progressivamente ampliem a carga horária para 7 horas diárias, para ofertar educação em tempo integral. Para viabilizar essa ampliação, será disponibilizado apoio financeiro do governo federal.

Outra mudança importante foi a permissão para que profissionais com notório saber, mas sem formação acadêmica específica, possam dar aulas no ensino técnico e profissional. Com isso, um engenheiro, por exemplo, poderá dar aulas de matemática ou física.

Sancionada a MP, o próximo passo a ser dado é a implantação da Base Nacional Comum Curricular que, atualmente, está sendo elaborada por um comitê presidido pelo Ministério da Educação.

O presidente do Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed), Fred Amâncio, destacou o fato de a reforma ajudar a tornar a escola mais atrativa aos estudantes brasileiros. Segundo ele, a flexibilidade do ensino médio está alinhada também com o Plano Nacional de Educação, que apresenta metas para a melhoria do sistema educacional brasileiro.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Secretaria de Esporte e Lazer divulga calendário de atividades para 2017


O Governo do Rio Grande do Norte liberou, nesta terça-feira (14), o calendário da Secretaria de Esporte e Lazer para o exercício de 2017.
Dentre as atividades, o ano prevê dias comemorativos, como o de Combate ao Sedentarismo, em 10 de março; inscrições de copinhas de futebol dos municípios potiguares; oficinas; seminários e palestras.
Para conferir o calendário completo, basta clicar aqui.

Exame da OAB adiado no RN


A prova da segunda fase do XXI Exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) que foi adiada em Natal e Mossoró, em janeiro, ainda não tem uma nova data definida para acontecer. A prova estava marcada para o dia 22 de janeiro, mas foi adiada por causa de uma série de ataques criminosos que aconteceram em várias cidades do RN e culminaram na suspensão do transporte público.
“A suspensão da prova foi absolutamente necessária, não havia transporte público e nós prezamos pela segurança e tranquilidade dos candidatos”, disse o presidente da OAB/RN, Paulo Coutinho.
Segundo ele, o edital prevê que – em casos de suspensão da prova – os candidatos participem da segunda fase do exame seguinte. A segunda fase do próximo exame da ordem está marcada para 28 de maio. “Nós estamos buscando uma solução que possa adiantar essa prova. A Fundação Getúlio Vargas (FGV), que realiza a prova, já tinha nos informado da impossibilidade de adiantar a prova, mas nós entramos com um recurso na coordenação nacional do exame e estamos aguardando o resultado desse recurso”, explicou.

Secretaria Municipal de Educação iniciou ontem a Jornada Pedagógica 2017


Iniciou ontem, 13, a Jornada Pedagógica promovida pela Secretaria Municipal de Educação, Cultura, Esporte e Turismo da Serra do Mel.


A secretária municipal de educação Milane Azevedo​ fez a abertura do evento e falou das grandes dificuldades, que será colocar a educação de nosso município nos "eixos", mas, também ressaltou que não medirá esforços para oferecer uma educação de qualidade a todos os educandos serramelenses.

O evento foi realizado no Palácio Francisco Sobrinho de Moura _ Câmara Municipal de Serra do Mel. Participaram da abertura dos trabalhos o prefeito Josiva Bibiano​, a vice-prefeita Francisca Veras e o presidente do poder legislativo, vereador Moabe Soares.

A Jornada iniciou com música ao vivo ao embalo da dupla de sopro serramelense e uma palestra motivacional  com o professor Elan Cunha.

Participaram da Jornada, professores, gestores e demais profissionais da educação, pais e representantes dos conselhos escolares e da educação.


A Jornada Pedagógica deu continuidade hoje, no espaço social do SINDMEL e se estenderá até sexta-feira, 17.

Com informações do Blog Fogo contra Fogo e da Página Notícias da Serra do Mel

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Candidatos selecionados do Prouni têm até hoje para comprovar dados

Os candidatos pré-selecionados para receber bolsas integrais e parciais do Programa Universidade para Todos (ProUni) têm até hoje (13) para comprovar as informações prestadas durante a inscrição. O estudante deve apresentar os seus documentos originais e de membros da família, quando for o caso, na instituição para a qual foi selecionado. A lista completa de documentos está disponível no site do ProUni.
Para os estudantes do Espírito Santo, o Ministério da Educação estipulou o prazo até quarta-feira (15), para que não sejam prejudicados, devido à crise na área da segurança pública enfrentada pelo estado.
O resultado da segunda chamada será divulgado no dia 20 de fevereiro e a comprovação das informações nessa etapa será entre os dias 20 e 24 de fevereiro.
Ao final das duas chamadas, o candidato poderá manifestar interesse em participar da lista de espera, que será usada pelas instituições de ensino na convocação de candidatos para preenchimento de bolsas eventualmente não ocupadas. A manifestação poderá ser feita entre 7 e 8 de março. Neste caso, os dias 13 e 14 de março serão reservados para apresentar a documentação.
O ProUni oferece bolsas de estudo integrais e parciais (de 50%) em instituições privadas de educação superior, em cursos de graduação e sequenciais de formação específica, a estudantes brasileiros sem diploma de nível superior.
No total, foram ofertadas 214.242 bolsas em 13.521 cursos, distribuídos em 1.065 instituições de todo o Brasil. Esta edição do ProUni teve 1.535.042 candidatos inscritos na primeira chamada. Como cada um tem direito de escolher duas opções de curso, o número de inscrições chegou a 2.976.550